segunda-feira, dezembro 18, 2006

Árvores em Portugal

A floresta portuguesa é característica de um clima mediterrânico e, em tempos idos, a floresta era constituída, em larga escala, por espécies como o carvalho-alvarinho, Quercus robur, o castanheiro, Castanea sativa, a azinheira, Quercus ilex rotundifolia, o sobreiro, Quercus suber, o medronheiro, Arbustus unedo e a oliveira, Olea europaea sativa. Dessas áreas restam manchas florestais, e das espécies, apenas pequenas zonas ou núcleos. Da zona vegetal primitiva portuguesa resta a Mata do Solitário, na Arrábida. Em todo o país, ao longo dos tempos a floresta foi degenerando em matagal (maquis) ou charneca (garrigue), ou então sendo substituída pelo pinheiro bravo, Pinus pinaster (30% da floresta) ou pelo eucalipto branco, Eucalyptus globulus (20% da floresta), que foram propagados em larga escala nos inícios do século XX.

Quanto à distribuição geográfica, os carvalhos estão presentes em quase todo o território nacional: O carvalho-alvarinho (Quercus robur) no Noroeste, ao longo da faixa litoral Minho-Leiria, onde a temperatura é amena e a humidade elevada; O carvalho-negral (Quercus pyrenaica), juntamente com o castanheiro (Castanea sativa) nas Beiras ou zonas mais elevadas. O sobreiro (Quercus suber) é uma espécie dominante no litoral sul, enquanto a azinheira (Quercus ilex rotundifolia) é mais frequente no interior do país. O carvalho- português ou carvalho-cerquinho (Quercus faginea) é dominante no litoral centro, o carrasco (Quercus coccifera) aparece mais frequentemente nas serranias calcárias e o carvalho-de-Monchique ou carvalho-das-canárias (Quercus canariensis) só existe na serra de Monchique. No Algarve predomina a alfarrobeira. Quanto ao pinheiro-manso, está bastante presente na península de Setúbal. Espécies ripícolas como os salgueiros, choupos, amieiro, ulmeiro, plátano, freixo e pinheiro-bravo são encontradas a norte do Tejo, e mais invulgarmente a sul (em pequenos núcleos) ou em subzonas do interior do país. O eucalipto encontra-se em zonas próximas do pinheiro-bravo. Algumas espécies florestais estão mesmo em perigo de extinção: o teixo (Taxus baccata), o azereiro (Prunus lusitanica) e o azevinho (Ilex aquifolium).

Azinheira

Carvalho alvarinho


Carvalho-português

Alfarrobeira

Medronheiro

1 comentário:

Miguel disse...

Um saúdo desde a Galiza. Parabéns polo teu blog.
Uma curiosidade, na Galiza, o nome de cerquinho é usado para o Quercus pyrenaica (junto a cerqueiro e rebolo, segundo as zonas).